07 junho 2007

Tudo tri...color!

O jogo recém acabou. Não foi mole! Mas, apesar da secada do Jens, da perebice do Ramón, da insegurança do Patrício e da inexistência do Douglas, estamos em nossa quarta final de Libertadores! Antes do jogo iniciar, minha esperança era de que fosse como Palmeiras x Grêmio, nas quartas-de-final do Brasileirão de 1996. Uma derrotinha simples, por 1x0 e muito sofrimento. Com o gol de Diego Souza achei que a coisa pudesse ser mais tranqüila. Ao longo do jogo, e dos gols do Santos, temi por uma repetição de América de Cali x Grêmio, semi-final da Libertadores de 1996. Saímos ganhando o jogo, tomamos 3x1 e fomos eliminados. No final, foi mais parecido com aquele Palmeiras 5x 1 Grêmio, na Libertadores de 1995. Enfim, mais uma derrota brilhante do nosso Tricolor da Azenha. Agora, o negócio é nos prepararmos para a primeira partida da final, quando sofreremos como condenados, novamente.

Mas o melhor de tudo foi derrotar o Luxa! Ele fez aquela choradeira, como sempre. Foi eliminado da Libertadores, como sempre. E perdeu a classificação para nós. Como sempre!

Enquanto isso, o outro Tricolor, o das Laranjeiras, faturou a Copa do Brasil. Com gol de Roger, campeão da Libertadores pelo Grêmio em 1995, e sendo treinado pelo Renato, campeão da Libertadores pelo Grêmio em 1983. Bom sinal!

4 comentários:

Rodrigo Cardia disse...

Ganhar do Santos foi bom demais. Não só por causa daquele radialista imbecil que xingou o RS inteiro, mas também porque mais uma vez o Luxemburgo se f... contra nós!

Claudia Cardoso disse...

BRILHANTE DERROTA!
ahahahahahahahahah...
PQP! Sofrer como condenado será pouco contra o Boca!!!
E DALE GRÊMIO!

Jens disse...

A esperança é a última que morre: Dá-lhe Boca!!!
Um abraço triplamente coroado.

Moacy Cirne disse...

Oi, apareço aqui pela primeira vez. E futebol é uma das minhas paixões. Assim como torci pelo Grêmio contra o Boca, também torci pelo Inter contra os mexicanos. Ou seja, não sou gaúcho. Mas sou tricolor, aqui no Rio. Vibrei euforicamente pela conquista da Copa Brasil - Renato Gaúcho em 95 já nos tinha dado uma alegria imensa, com o famoso gol de barriga com o Flamengo. Mas reconheço: o Nense é um time limitado, pelo menos até o momento. De resto, espero que o Grêmio reverta o resultado de Buenos Aires. Um abraço.