29 abril 2010

Annonymus capins

Eragrostis plana. O famigerado capim annoni 2. Uma gramínea originária da África que chegou ao Rio Grande do Sul na década de 1950. Dizem que chegou misturada a outras sementes de forrageiras, mais precisamente o capim Rhodes. O glorioso Annoni, então feliz proprietário da fazenda homônima, descobriu a planta e viu nela um potencial fantástico. Surgia assim mais uma solução mágica para revolucionar nosso agronegócio (como o kiwi, a chinchila, os transgênicos e os eucaliptos, por exemplo). O Seu Annoni multiplicou e vendeu, Rio Grande afora, as sementes daquela forrageira rústica, que produzia sementes que era uma loucura, resistia à seca e crescia bem em solo pobre. O único inconveniente era que o gado não comia...

Fibrosa, pouco palatável e de baixo valor nutritivo, logo se mostrou uma invasora terrível e sua comercialização foi proibida em 1978. De lá para cá, o capim annoni vem tomando conta dos campos gaúchos. Estima-se que o annoni já invadiu meio milhão de hectares no Rio Grande do Sul. O seu controle é difícil e sua erradicação, virtualmente impossível. É mais uma ameaça à biodiversidade do bioma pampa.

Pois agora o annoni passou a habitar também as calçadas das esburacadas ruas do Bairro Menino Deus, em nossa abandonada capital. Como o capim annoni tem baixo valor forrageiro e como não há mais gado no bairro desde que a feira agropecuária foi transferida para Esteio, podemos supor que não se trata de uma pastagem. E se não for por conta de um até então desconhecido valor ornamental da planta, as touceiras de annoni que se encontram próximas ao muro estruturante estão lá por puro relaxamento. Por falta de capinas e de roçadas em nossas calçadas e meio-fios. Apenas mais um sinal de abandono e desleixo nesta Porto Alegre que está demais...

6 comentários:

OSCAR PANIZ disse...

MUITO BEM LEMBRADA ESTA HISTÓRIA DO CAPIM ANNONI. DEVERIA SERVIR DE REFERÊNCIA EDUCATIVA. OSCAR

Job disse...

Excelente postagem Kayser. Vamos sugerir à burguesia agrária guasca que falem com o anonymus gourmet para preparar um prato a base de annoni para eles, já que gostam tanto de capim e tão pouco da agricultura sustentável.

elektrofossile disse...

Uma aula de veterinária, agronomia, biologia, geografia, cultura, sociologia, de cidadania e de Rio Grande.

Èta Kayser, sô!

Renã Vargas disse...

Putz..apesar da situação ruim, o artigo ficou irônicamente engraçado!

ducana disse...

Tem certeza de que nãos estás falando de Livramento? Até as fotos parecem ser das nossas ruas...

saitica disse...

Teria sido o Curió
o grande invasor
ou nada disso ?
Foi seu anonni
conhecido popr devagr e sempre
Passo por ele diariamente
e pergunto
prá que tanta semente ?
não seria comida prá gente...