30 agosto 2007

Olfato

Faro do gol. Os artilheiros têm. Nem falo dos craques, como Reinaldo, Careca, Romário e Ronaldo. Falo dos artilheiros mesmo. O faro do gol é uma qualidade que independe da técnica. Tanto que muitos artilheiros não só não eram craques como tratavam a bola, literalmente, aos pontapés. Maltratavam a bola e irritavam a torcida. Mas eles sempre estavam no lugar certo, na hora certa. E colocavam ela para dentro. No Grêmio, Baltazar e Jardel eram assim. Goleadores, mesmo que com deficiências técnicas e longe de serem unanimidades.

Por outro lado, outros supostos centroavantes são totalmente inaptos para marcar gols. Aconteça o que acontecer, a bola não entra. Também no Grêmio, lembro do Bizu, do Rodrigo Gral e do Pedro Júnior. Não se trata de perebice, mas de incapacidade de fazer gol, por mais fácil que a jogada se apresente. Afonsão e Lipatin, por exemplo, eram ruins, mas faziam seus golzinhos, pelo menos aqueles muito fáceis. Esses não. Nem se o goleiro quisesse tomar o gol. Eles davam um jeito de chutar para fora. Se os artilheiros têm o faro do gol, esses antiartilheiros têm a congestão nasal do gol!

Cada vez mais me convenço de que Marcel, o atual suposto centroavante tricolor, pertence a esse último grupo. Vi sua “empolgante” estréia contra o Paraná. Apesar da sua movimentação e da sua participação no jogo, que renderam rasgados elogios da imprensa e dos torcedores que não mais suportavam o Tuta, chamou-me a atenção o fato de ele ter perdido quatro gols. Quatro! Daqueles que centroavante não pode perder! Ainda mais jogando no Grêmio, onde as chances de gol são raras. Pois Marcel errou as quatro! Duas delas mais fáceis do que a do gol do Alex Dias contra o Inter. O Alex Dias fez de calcanhar. O Marcel errou de frente! Na partida seguinte, ele errou um pênalti. E ontem, veio a prova definitiva de que Marcel não é do ramo. O gol que ele errou contra o Sport, aos 22 minutos, quando o placar ainda estava fechado, é inadmissível. O resultado da partida não poderia ser outro. Graças a Marcel, o nariz entupido do Olímpico.

7 comentários:

Rodrigo Cardia disse...

Lembrei de outras negações como centroavantes que passaram pelo Grêmio, como o Adriano Chuva (2º semestre de 2002, não marcou um gol sequer!), e o Loco Abreu (2º semestre de 1998, só fez um gol que até eu faria - mesmo que tivesse uma perna amputada! - e ganhou uma grana). Ah, tem também o Silva (2º semestre de 1997), o Amato (até fez uns golzinhos no 1º semestre de 2000, mas definitivamente não era centroavante)...
E domingo tem o Botafogo do Dodô (e esse sabe fazer gol)...

Abraços

Kayser disse...

Adriano Chuva! Bem lembrado, Rodrigo. É exatamente disso que eu estou falando. Um cara que tem tudo - tamanho, velocidade, um mínimo de técnica - menos o principal - a capacidade de fazer gols. Acho que o Marcel vai repetir a façanha do Adriano Chuva.

Jorge Vieira disse...

Não querendo rivalizar com a memória do blogueiro, mas ... O pior de todos foi o Jacaré, contratação do medíocre Cacalo, era ídolo do Guga (o tenista, e, que eu lembre, não marcou nenhum gol. Com faro de gol cito dois: Gilson (o cabeção) e o Nildo (campeão do Copa do Brasil, a segunda)

Rodrigo Cardia disse...

Bah, eu nem tinha lembrado do Jacaré!
Esse tava fechado com o Inter e o Grêmio contratou, e deixou o Inter a ver navios.
No Inter, perto da água, era capaz do réptil se adaptar melhor... O Olímpico fica longe do Guaíba!

Guillermo disse...

Kayser,

Não tenho a menor dúvida que Marcel está no segundo grupo e o pior disso tudo é que não tem nenhuma desculpa.

A imprensa e a "torcida Nescafé" ficaram enchendo o saco do Mano dizendo que ele tinha que tirar o Tuta e botar o Marcel. Agora se entende por que ele relutou tanto. Enquanto um está gordo(?) e só fica mascando chiclete o outro perde (pelo menos) um gol imperdível por jogo e não está gordo nem masca chiclete durante os jogos.

Que venha Dodôpado e o foguinho que nós vamos apagar eles... :-)

Abraço e DÁ-LHE GRÊMIO!!!

Erick da Silva disse...

Mas agora eles acharam a solução para os nossos problemas: o "jovem" Rodrigo Mendes. De passagem brilhante por uma equipe do Quatar, que a imprenssa nem soube dizer o nome.
Do jeito que vai indo, se classificar pra sul-americana já vai ser um feito, e o que pior, no campenonato mais fácil da história para se ganhar. É brabo...

Anônimo disse...

Um exemplo que maltratava a bola era o Dario Maravilha.